Saúde Mental

As perturbações de ansiedade, o baixo rendimento cognitivo, a depressão, os ataques de pânico e o stress são um reflexo das alterações dum mundo moderno competitivo e inflexível.

Equipa Saúde Mental

Intervenções clínicas por forma a melhorar a sua performance mental, com a menor intervenção farmacológica possível, promovendo a optimização dos estilos de vida saudáveis. Em articulação com a Psicologia, permite uma intervenção que visa promover o autoconhecimento da pessoa, sobre ela própria, com vista à sua autodeterminação, ou seja, potenciar a capacidade da pessoa de tomar boas decisões mais benéficas para a sua vida. A evidência da inovação na tecnologia disponível, permite alcançar melhores resultados, como é o caso da Realidade Virtual.

Equipa Multidisciplinar

A saúde mental, mais do que a ausência de doença, está na base do bem-estar, da capacidade de enfrentar obstáculos e resiliência nas adversidades (WHO, 2008).

A psicologia e a psiquiatria na doença mental podem ter um papel conjunto. Enquanto o psiquiatra tem à sua disposição o tratamento farmacológico para a redução de sintomas, o psicólogo através de técnicas psicológicas, auxilia o paciente a identificar os pensamentos e comportamentos disfuncionais no sentido do entendimento dos mesmos para que possa atuar sobre eles.

Dependendo da funcionalidade da pessoa, a intervenção farmacológica pode nem sempre justificar-se. Contudo, importa sublinhar que o trabalho de um profissional não invalida o do outro, serão sim complementares. Para além disso, a inclusão de outras especialidades como por exemplo, medicina da atividade física e nutrição é também importante numa perspetiva de promoção do bem-estar global do paciente.

Realidade Virtual

A intervenção com recurso à realidade virtual (RV) oferece aos profissionais da saúde mental a oportunidade de não só reproduzir cenários da vida real, mas também de adaptar e controlar estes ambientes para se adaptarem às necessidades individuais dos seus clientes.

Esta tecnologia permite avaliar e identificar os receios e ansiedades dos seus clientes dentro da segurança de um consultório. Várias investigações demonstraram uma vantagem muito consistente da realidade virtual: permite uma terapia de exposição sem uma abordagem realista do estímulo temido, uma situação que pode ser demasiado intensa e intimidante para alguns pacientes (Meyerbröker & Emmelkamp, 2010; Opris et al., 2012; Peñate Castro et al., 2014; cit. in Amanda A. Benbow & Page L. Anderson, 2019).

Inclui ambientes virtuais concebidos para a intervenção psicológica em diferentes problemáticas, tais como, fobia de voar, medo de falar em público, agorafobia, claustrofobia, ansiedade social.